O Voo Livre é uma das modalidades de esporte de aventura praticadas no ar, onde o praticante (piloto) utiliza o vento e as correntes de ar ascendentes para manter ou ganhar altitude, realizar manobras e voos de curta ou longa duração. Basicamente, existem dois tipos de equipamento para a prática: a Asa Delta e o Parapente (ou Paraglider).

Asa Delta:

 como o próprio nome diz, é um tipo de aeronave feita com tubos de alumínio, no formato de um triângulo, revestidos com tecido especial. Nela, o piloto conduz o voo na posição deitada, com a barriga para baixo, utilizando os braços para deslocar um trapézio e efetuar as manobras.

Parapente:

tem uma estrutura flexível de tecido formado por células, semelhante a de um paraquedas, que se enche com a pressão do ar, dando forma a asa. No Parapente, o piloto conduz o equipamento sentado em uma cadeira, chamada de selete, e efetua as manobras puxando os controles (batoques) para um lado, para o outro ou juntos.

Os voos desses dois tipos de aeronave são bastante similares, exceto pela velocidade de deslocamento que, na asa delta, é superior a do parapente, devido a aerodinâmica.

Florianópolis possui várias rampas, algumas com acesso facilitado por rua ou estrada, outras com acesso somente por trilha. Para saber mais sobre as características das rampas em Florianópolis e Santo Amaro da Imperatriz, consulte as páginas de cada rampa logo no fim desta matéria.

A melhor época do ano para se praticar o voo livre na Ilha são os meses entre novembro e abril, quando os ventos sopram, com mais constância e intensidade, dos quadrantes Nordeste, Leste, Sudeste e Sul. Para os que buscam o voo o ano inteiro, a opção mais acessível é a Rampa do Morro do Queimado, em Santo Amaro da Imperatriz, distante 25 Km do Centro de Florianópolis, onde fica a sede do Lagoa Clube de Voo Livre.

Fonte.